- Blog -

Um príncipe chamado Figo

  • figo-maze-doces
  • figo-roxo-maze-doces
  • figueira-maze-doces
  • mini-figo-maze-doces
  • WhatsApp Image 2017-11-26 at 10.16.45 (1)
  • WhatsApp Image 2017-11-26 at 10.16.45
  • DSC_0263
  • DSC_0266
  • Figo cristalizado com nozes

Era uma vez uma figueira, uma menina determinada e uma mãe doceira (doceira de coração, não de profissão). Assim nasce a história da Mazé Doces com o Figo, venha comigo conhecer cada pedacinho deste conto de fadas!

figo-roxo-maze-doces

Um príncipe chamado figo

Ah… Os figos me encantam! Me enchem de amor e me fazem sentir capaz, íntegra e consciente do meu tempo e do tempo das coisas. Ele é o príncipe das frutas cristalizadas, impera com a força e o vigor dos jovens!
Sempre verde e robusto, o figo não mede esforços em encantar paladares. 
Nas nossas mãos ele é reinventado e a cada dia recebe com glamour todas as combinações que impomos a ele. Sem reclamar, sem azedar e principalmente: sem murchar! Rs.
Mas saiba que não foi sempre assim. Os figos nos respondem ao que hoje lhes damos: o respeito, o devido tempo de cultivo e o tempo de seu preparo!
Lembro com saudade dos anos de labuta que tive com eles, rs.
Muitos que me conhecem já sabem da minha história de amor e ódio com os doces. Desde muito cedo minha mãe plantou em mim a arte de fazer doces, e não podia ser diferente com o doce de figo. Lá em casa, na roça, tinha uma figueira e é exatamente lá onde começa a minha trajetória com ele: o figo. Pois bem…
Nesta época minha mãe me punha para colher os figos e já na figueira começava a minha agonia. Suas folhas e leite impiedosamente me castigavam com uma coceira insuportável. Para limpa-los, um a um, passava uma faquinha ou então um pedaço de palha de aço.
No fim do processo meus dedos estavam feridos e o doce estava pronto. Mas eu não queria nem ver e muito menos comer.
O tempo passou e por mais de 10 anos respirei tranquila a cada fim de ano! Sem figueira, sem coceira e sem doces de figos, rs.
Mas como nada na vida é para sempre, no fim de 1999 ressurgia em minha vida o príncipe figo! Desta vez com uma necessidade e um desejo intenso de fazer diferente.
lavoura de figo
Não me lembro o por quê, mas coloquei na cabeça que queria fazer novamente o doce de figo… O primeiro desafio foi achar os figos. No fim de uma tarde de domingo, eu, minha irmã Bethe e meus dois filhos fomos comprar figos na casa Dona Amélia, lá no bairro Santo Antônio.
A saudosa Dona Amélia era uma mulher primorosa, trabalhava no colégio Tancredo Neves e nas horas de folga cuidava de suas lindas figueiras. A disputa pelos seus figos era enorme e é claro que não consegui comprá-los naquele dia!
Já no ano seguinte, cansada de minha insistência, Dona Amélia passou a me fornecer um pouco de figo. Tinha um preço alto! R$5 o litro (antigamente era vendido por litro). Mas eu arriscava e comprava, tal era o meu desejo de fazer o doce de figo.
Figos na mãos, começava outro grande desafio na minha vida! 
Primeiro, limpar os figos. Agora eu já tinha uma receita ótima em mãos. Anote esta dica, ela é preciosa:
Misture 3 partes de açúcar com 1 parte de sal e em um pequeno saco plástico esfregue os figos. Eles ficarão limpinhos!
Mas o pior estava por vir… Acontece que eu começava o processo e quando estava nos finalmentes… Jesus! Amanheciam todos murchos! Murchos mesmo! Não aproveitava NE-NHUM.
Que tristeza… Para quem já tinha uma grande dívida para pagar, isso só aumentava o dividendo. E assim aconteceu por vários anos, nessa tentativa de erros e acertos.
Foi quando um dia eu entendi que era apenas uma questão de tempo… Até mesmo os figos precisam descansar. Após 3 anos de prejuízo, consegui fazer figos inteiros sem murchar. Simplesmente porque respeitei o tempo de espera.
 
De onde vem tanto figo para fazer doce de figo?
Se você também já se fez essa pergunta sobre a Mazé Doces, vai acabar com a sua curiosidade! Rs.
mini-figo-maze-doces
Quando se fala em produção de figos no Brasil, o primeiro lugar que ouvimos falar é Valinhos, em São Paulo. Não há dúvida que lá se produz muito figo, principalmente o figo rocho.
Mas em Minas também temos uma grande produtora de figo, a cidade de São Sebastião do Paraíso. Um verdadeiro paraíso na produção de figos! É de lá que vem a maior parte dos figos para a produção de doces da Mazé Doces.
No ano 2005 tive um dessabor com um produtor de mini figos. Na época fiquei arrasada, mas confiante em algo melhor estava por vir. Minha confiança foi tanta que em 2006, a saudosa Dona Ana Amaral me ofereceu mudas do mini figos. Lá fui eu no meu fusquinha buscar as mudas em sua fazenda!
DSC_0266
Com muito amor fiz a muda e plantei no quintal da fábrica. Em poucos anos virei produtora de mini figos! Fiz várias mudas e plantamos na casa da minha mãe. A querida Helia (hoje produtora de mamão e mini figos para a Mazé Doces) também plantou em sua casa, lá no córrego do Paiol.
Mais de 10 anos depois colhemos mini figos suficientes para nossa produção de compotas. Um mini figo totalmente orgânico que resulta num doce maravilhoso e delicioso!
mini figo
Figo gringo
Amo tanto os figos que recentemente, na nossa viagem pela França, fiz questão de provar todos os figos que vi, dos cultivados aos silvestres. E me encantei!
figueira-maze-doces
Já me encanto com eles aqui no Brasil e lá fora não poderia ser diferente, pois o figo é sagrado. Tão sagrado que Jesus se sentou embaixo de uma figueira para pregar o seu amor por nós! Amor este que devemos cultivar por tudo que o universo nos oferece e principalmente pelos frutos que nos alimentam.
Sendo assim, seguimos fazendo com muito amor para todos vocês os doces de figo em suas diversas variações:

 

Figo cristalizado com nozes

E é agora, neste fim de novembro que a safra do figo começa, dando início à celebração do nascimento de Jesus!
Que possamos juntos, na mesa cheia de figos e no conforto de nossos lares celebrar a vida, o amor, a alegria e a glória.
Assim desejo que celebrem as suas doces vitórias!

Compartilhe

Share on FacebookTweet about this on TwitterGoogle+

Últimos posts

Categorias

Arquivos